Skip to content

The largest container terminal in South America elects Digifort to monitor its Brazilian operationsMaior terminal de contêineres da América do Sul adota Digifort para monitorar suas operações no Brasil

Enviado por marcelino - 03/06/2012 - Casos de Sucesso, Geral, Notícias

After the success case in the Port of Santos, where its largest undertaking is located, Santos Brasil foresees expanding the use of Digifort to other units in the country

Depois do caso de sucesso no Porto de Santos, onde está localizado seu maior empreendimento, Santos Brasil prevê expansão do Digifort para outras unidades do País

 

By Marcelino Silva – marcelino@marcelinosilva.jor.br

 

Ricardo Dias coordinates the implementation of Digifort at Tecon-Santos

While the Port of Santos/SP does not become an ideal technological condominium, terminals individually invest in electronic security and cutting-edge technology to satisfy international market demands.  This is the case of Santos Brasil (Tecon-Santos), the largest Brazilian container operator. According to company information, approximately R$ 2.2 billion have already been invested in professional qualification, technology and modernization of its localities.  Part of these investments meets the norms and demands from ISPS (International Ship and Port Facility Security) Code.

 

In order to break successive records in cargo handling and to guarantee operational security within international standards, Tecon counts with the Digifort IP Surveillance System technology to monitor its operations at the Santos docks, the largest in South America.  After it has been totally deployed, in all of the group’s terminals at Brazilian ports, the digital security project will operate with over 400 integrated cameras via Digifort all over Brazil.  Ricardo Dias, technical supervisor of surveillance at Santos Brasil, explains the main differentials that make Digifort a strategic partner of the group.

 

“At the very beginning, we started off with three cameras and four analog monitors in RF (TV signal).  Fiber optics was too expensive and RF was an early solution.  With this, the investments in surveillance were gradually done.  Later, we adopted the use of fiber optics and signal converters to operate the images analogically captured.  The IP technology was too far off for us, since we had different manufacturers working in our premises, demanding hardware and software compatibility.  When we got to know Digifort, we discovered that we could integrate everything.  That was the time for change”.

 

The terminal is located at the left margin of the Port of Santos

This shows that Digifort became the perfect marriage, since the company could not disregard its investments made in analog equipment.  “With these cameras, we have great capture and visualization of day and night images”. We add to them the excellent recordings, searches and digital storage with the Digifort technology, thus doing away with the use of DVRs (video recorders).  We used to record it all on cassette tape, taking hours to retrieve an image.  Today, any event is identified in seconds, just by knowing the date and time.  Furthermore, directors and managers access images in real time”.

 

Nowadays, Santos Brasil uses the 6.5 version of Digifort.  According to Dias, the company awaits the release of the 7.0 suite to migrate the entire structure, benefiting first hand from the new capture and audio recording resources.  With this, the Digifort platform will be implemented in other operations of the group throughout Brazil, including the port terminals of Imbituba (SC), Vila do Conde (PA), TEV-Santos (SP), administrative offices in urban areas and units of Santos Brasil Logística, the operational branch of the group for transport and distribution.  There will be eight localities, monitored on a centralized basis, throughout the Country.

 

Structure The implementation of Digifort at Tecon-Santos allowed to comply with one of the main Brazilian Federal Revenue Office (Receita Federal do Brasil) and ISPS Code norms.  Today, the Santos terminal is able to store six months’ worth of recordings and perform instant checks.  “To support this application, we invested in the operation of an exclusive server for the storage of digital images.  Manufactured by IBM, the equipment safely stores about 120 terabytes of information.  The training of internal teams, with different certifications and Digifort training, is also part of the process”, explains Dias.

 

Santos Brasil receives cargo ships from all over the world

In his desk, the supervisor has monitors which are connected to Digifort and to Google Earth, both mapping the terminal during working hours.  On the wall, a 42” LCD screen allows connection to any camera that monitors the 596 thousand square meters of area, spread among yards, warehouses as well as 980 meters of docks for vessel docking.  Furthermore, Santos Brasil has a surveillance central that operates with watchers 24 hours per day.  The unit is equipped with biometrical access and a panel comprising of 30 LCD monitors, creating a large mosaic of digital surveillance.

 

Dias has a team of technicians for installation, maintenance and laboratory repairs for the entire system.

“We take 15 minutes to solve any problem, since the knowledge and control of the technology are in our hands, be it related to hardware or software.  We have invested in prevention, reaping the best cost benefit from this work methodology.  Electronic security is a branch of patrimonial security, which has other 150 professionals providing security to the terminal.  Digifort provides technology and intelligence amidst this complex process.  This is one commercial differential with our clients”.

 

Undergoing process of expansion, the system already counts with 150 cameras of different models, technology and manufacturers.  They run different Digifort resources, which are responsible for monitoring the speed of vehicles, walls and virtual fences in the entire perimeter of the terminal.  “We have 16 cameras running the Analytic module from Digifort.  One of them is positioned 40 meters above the ground, providing a panoramic control of our entire operation.  We are purchasing thermal cameras to monitor the entire inner perimeter.  Thanks to Digifort technology, only two units of this model will be purchased”, says the supervisor.

 

The surveillance room at the terminal operates 24 hours per day

The company intends to introduce the modules Digifort LPR (License Plate Recognition) and Digifort Alarm and Automation (Commbox).  “The LPR will assist in the control and recognition of vehicle license plates.  With the Commbox, the idea is to improve the use of inside equipment, such as big screens, projectors, light and air-conditioning in meeting rooms.  Secretaries and assistants will control these resources from a distance.  The product’s elasticity allows saving and working with different manufacturers and suppliers.  We have tested different software, but Digifort was simple, practical and objective.  The client feels valued. This is nice”, finalizes Dias.

 

Santos Brasil The group is a benchmark in the operation of containers in South America.  It presently counts with three port terminals: Tecon in Santos (SP), Tecon in Imbituba (SC), and Tecon in Vila do Conde (PA), as well as a terminal for vehicle export (TEV) in the Port of Santos and integrated port logistic units in Santos (SP), Guarujá (SP), São Bernardo do Campo (SB), Jaguaré (SP) and Imbituba (SC).  The company formulates complete integrated logistics solutions for clients from a wide range of economic sectors. More information is available at www.santosbrasil.com.br.

 

Digifort Digifort is the first Brazilian software for IP surveillance, Digital CCTV and electronic image storage.  Known in the marketplace as an IP Surveillance System, the product has resources, equipment and advanced technological solutions for the areas of digital intelligence, corporate surveillance and urban security.  Presently, its platform is continuously developed in Brazil, commercialized in over 80 countries and translated into several languages, thus making the software one of the best in international market evaluations.  More information is available at www.digifort.com.br.

 

See the photos in the gallery below:


 

Por Marcelino Silva – marcelino@marcelinosilva.jor.br

 

Ricardo Dias coordena a implantação do Digifort no Tecon-Santos

Enquanto o Porto de Santos/SP não se transforma num condomínio tecnológico ideal, terminais investem individualmente em segurança eletrônica e tecnologia de ponta para atender as demandas do mercado internacional. Este é o caso da Santos Brasil (Tecon-Santos), a maior operadora de contêineres do Brasil. Segundo dados da empresa, já foram investidos cerca de R$ 2,2 bilhões em qualificação profissional, tecnologia e modernização de suas localidades. Parte destes investimentos vai de encontro às exigências e normas do ISPS Code, Código Internacional para Segurança de Navios e Instalações Portuárias.

 

Para bater sucessivos recordes na movimentação de cargas e garantir a segurança operacional dentro dos padrões internacionais, o Tecon conta com a tecnologia Digifort IP Surveillance System para monitorar suas operações no cais santista, o maior da América do Sul. Depois de implantado de forma integral, em todos os terminais do grupo em portos brasileiros, o projeto de segurança digital irá operar com mais de 400 câmeras integradas via Digifort em todo o Brasil. Ricardo Dias, supervisor técnico de monitoramento da Santos Brasil, explica os principais diferenciais que fizeram do Digifort um parceiro estratégico do grupo.

 

“No início de tudo, começamos a operar com três câmeras e quatro monitores analógicos em RF (sinal de TV). Fibra óptica era muito cara e o RF foi uma solução inicial. Com isso, os investimentos em monitoramento foram feitos de forma gradativa. Depois, adotamos a fibra óptica e conversores de sinal para operar as imagens captadas em analógico. A tecnologia IP ainda era algo distante para nós, pois tínhamos diversos fabricantes operando em nosso parque, exigindo compatibilidade de hardware e software. Quando conhecemos o Digifort, descobrimos que podíamos integrar tudo. Essa foi a hora da mudança”.

 

O terminal está localizado na margem esquerda do Porto de Santos

Ele revela que o Digifort formou o casamento perfeito, pois a empresa não poderia desconsiderar seus investimentos em equipamentos analógicos. “Com estas câmeras, temos ótima captação e visualização de imagens diurnas e noturnas. Agregamos a elas as perfeitas gravações, buscas e armazenamentos digitais com a tecnologia Digifort, eliminando o uso de DVRs (gravadores de vídeo). Gravávamos tudo em fita cassete, levando horas para resgatar uma imagem. Hoje, qualquer ocorrência é identificada em segundos, basta saber a data e o horário. Além disso, diretores e gerentes abrem imagens em tempo real”.

 

Atualmente, a Santos Brasil utiliza a versão 6.5 do Digifort. Segundo Dias, a empresa aguarda o lançamento da suíte 7.0 para migrar toda a estrutura, usufruindo em primeira mão dos novos recursos de captação e gravação de áudio. Com isso, a plataforma Digifort será implantada em outras operações do grupo pelo Brasil, incluindo os terminais portuários de Imbituba (SC), Vila do Conde (PA), TEV-Santos (SP), escritórios administrativos em áreas urbanas e unidades da Santos Brasil Logística, braço operacional do grupo para transporte e distribuição. Serão oito localidades monitoradas de forma centralizada em todo o País.

 

Estrutura – A implantação do Digifort no Tecon-Santos permitiu atender umas das principais normas da Receita Federal do Brasil e do ISPS Code. Hoje, o terminal santista consegue armazenar seis meses de gravações e realizar consultas imediatas. “Para suportar esta aplicação, investimos na operação de um servidor exclusivo para armazenamento de imagens digitais. Fabricado pela IBM, o equipamento mantém de forma segura cerca de 120 terabytes de informações. A capacitação de equipe interna, com diversas certificações e treinamentos Digifort, também fazem parte do processo”, explica Dias.

 

A Santos Brasil recebe cargueiros de várias partes do mundo

Em sua mesa de trabalho, o supervisor possui monitores conectados ao Digifort e ao Google Earth, ambos mapeando o terminal durante seu horário de trabalho. Na parede da sala, uma tela LCD de 42 polegadas permite conexão com qualquer câmera que observa os 596 mil metros quadrados de área, entre pátios, armazéns e 980 metros de cais para atracação de navios. Além disso, a Santos Brasil possui uma central de monitoramento que opera com observadores 24 horas por dia. A unidade está equipada com acesso biométrico e um painel com 30 monitores LCDs, formando um grande mosaico de vigilância digital.

 

Dias possui equipe de técnicos para instalação, manutenção e reparos laboratoriais de todo o sistema. “Levamos 15 minutos para solucionar qualquer problema, pois o conhecimento e o domínio da tecnologia estão em nossas mãos, seja em hardware ou software. Investimos em prevenção, colhendo o melhor custo benefício desta metodologia de trabalho. A segurança eletrônica é um braço da segurança patrimonial, que possui outros 150 profissionais oferecendo segurança ao terminal. O Digifort provê tecnologia e inteligência no meio deste complexo processo. Isso é um diferencial comercial junto aos nossos clientes”.

 

Em processo de expansão, o sistema já possui 150 câmeras de modelos, tecnologia e fabricantes variados. Elas operam vários recursos do Digifort, responsáveis em monitorar a velocidade de veículos, muros e cercas virtuais em todo o perímetro do terminal. “Temos 16 câmeras operando o módulo Analítico do Digifort. Uma delas está posicionada a 40 metros de altura, fornecendo controle panorâmico de toda nossa operação. Estamos adquirindo câmeras térmicas para vigiar o perímetro interno por completo. Graças à tecnologia Digifort, apenas duas unidades deste modelo serão compradas”, conta supervisor.

 

Sala de monitoramento do terminal opera 24 horas por dia

A empresa pretende implantar os módulos Digifort LPR (Leitura de Placas) e Digifort Alarme e Automação (Commbox). “O LPR irá auxiliar no controle e reconhecimento de placas de automóveis. Com o Commbox, a ideia é aperfeiçoar o uso de equipamentos internos, como telões, projetores, luz e ar-condicionado em salas de reuniões. Secretárias e assistentes irão controlar estes recursos à distância. A elasticidade do produto permite economizar e trabalhar com diversos fabricantes e fornecedores. Testamos vários softwares, mas o Digifort foi simples, prático e objetivo. O cliente se sente valorizado. Isso é legal”, finaliza Dias.

 

Santos Brasil – O grupo é referência na operação de contêineres na América do Sul. Atualmente conta com três terminais portuários: Tecon de Santos (SP), Tecon de Imbituba (SC), e Tecon de Vila do Conde (PA), além de um terminal de exportação de veículos (TEV) no Porto de Santos e unidades de logística portuária integrada em Santos (SP), Guarujá (SP), São Bernardo do Campo (SP), Jaguaré (SP) e Imbituba (SC). A Companhia formula soluções completas de logística integrada para clientes dos mais variados segmentos econômicos. Mais informações estão disponíveis no site www.santosbrasil.com.br.

 

Digifort – O Digifort é o primeiro software brasileiro para monitoramento IP, CFTV Digital e armazenamento eletrônico de imagens. Conhecido no mercado como um IP Surveillance System, o produto possui recursos, equipamentos e soluções tecnológicas avançadas para as áreas de inteligência digital, vigilância empresarial e segurança urbana. Atualmente, sua plataforma é desenvolvida continuamente no Brasil, comercializada em mais de 80 países e traduzida em vários idiomas, fazendo do software um dos melhores em avaliações do mercado internacional. Mais informações no site www.digifort.com.br.

 

Veja as fotos na galeria abaixo:

 

Matérias relacionadas

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta matéria.

Comentar